sexta-feira, 18 de novembro de 2022

São Paulo sediará a 52ª edição de um dos maiores festivais orientais do Brasil: o Toyo Matsuri

Evento cultural acontecerá na Praça da Liberdade-Japão nos dias 3 e 4 de dezembro, como forma de agradecer o ano vivido e dar as boas-vindas ao próximo. A novidade desta vez será o Tsuru da sorte para 2023, ano do Coelho segundo horóscopo chinês

      Nos dias 3 e 4 de dezembro, a capital paulista sediará um dos maiores festivais orientais de rua do Brasil, que está em sua 52ª edição: o Toyo Matsuri. O evento cultural acontece na Praça da Liberdade-Japão, no bairro da Liberdade, e recebe mais de 200 mil pessoas de toda parte do país. Os visitantes participam de uma programação cultural gratuita, repleta de apresentações musicais, danças típicas, além de oficinas de origami, mangá, ikebana, entre outros temas para aprenderem gratuitamente.

         A festividade é realizada há mais de 50 anos pela ACAL –Associação Cultural e Assistencial da Liberdade- sempre no início de dezembro, como forma de agradecimento pelo ano vivido e de boas-vindas ao próximo ciclo. Para isso, a organização decora as ruas do bairro da Liberdade com Noboris, bandeiras típicas com mensagens de Boas Festas e esperança. Elas permanecem na cidade até dia 25 de janeiro, quando é celebrado o aniversário de São Paulo.

         Uma das novidades da 52ª edição será o enfeite Tsuru da sorte. É um origami tradicional que pode ser pendurado no carro ou em qualquer ambiente de casa ou do trabalho. Ele será confeccionado em cores diferentes, representando os desejos para 2023, como: branco – paz; amarelo – dinheiro; verde – esperança; vermelho – paixão; rosa – amor, e azul – proteção. E todas os Tsurus passarão por uma cerimônia xintoísta para receberem uma bênção e serem comercializada durante o Toyo Matsuri por valor simbólico.

Além das atividades do festival, o visitante encontrará a Feira de Artesanato da Liberdade e as barracas de alimentação típica, que já se preparam especialmente para atender o público e aos turistas que passeiam pelas ruas da região nesse período.

“Nosso objetivo é proporcionar alegria, esperança e compartilhar das tradições culturais orientais com os visitantes que prestigiam o bairro da Liberdade. Promovemos há mais de 50 anos esse evento e outros grandes festivais, como o Tanabata Matsuri, também para milhares de pessoas”, comenta Tetuya Fujimoto, atual presidente a ACAL.

A Associação é internacionalmente reconhecida por sua atuação cultural e social, bem como pela melhoria das condições de vida de sua comunidade. O empresário Fujimoto lembra que este vem sendo um ano repleto de desafios. “Além da superação da pandemia pela Covid-19, perdemos o presidente da nossa entidade, Hirofumi Ikesaki, e seguiremos na sua batalha pelo bairro da Liberdade, que completou 117 anos”, finaliza.

Mais informações pelo site www.acalliberdade.org.br.

 

Toyo Matsuri – Festival Oriental

Dias 3 e 4 de dezembro de 2022 (sábado e domingo)

Programação gratuita

Horários: das 10h às 18h

Endereço: Praça da Liberdade-Japão e avenida Liberdade, Rua Galvão Bueno, Rua dos Estudantes, São Paulo - SP

Facebook e Instagram: @toyomatsuri

quarta-feira, 16 de novembro de 2022

5º Prêmio Design Tomie Ohtake abre inscrições

Premiação realizada pelo Instituto Tomie Ohtake é voltada a universitários(as) e profissionais recém-formados(as) de todas as áreas

Estão abertas as inscrições do 5º PRÊMIO DESIGN TOMIE OHTAKE, voltado a universitários(as) e profissionais recém-formados(as) de todas as áreas. A iniciativa consolidou-se como a principal premiação brasileira de mapeamento na área do design, acolhendo múltiplas linguagens, dada a sua transdisciplinaridade, e não se restringindo a categorias, uma vez que contempla projetos de naturezas diversas.

O prêmio, que propõe a cada edição um novo tema para instigar soluções inovadoras que respondam a desafios atuais do cenário socioeconômico, cultural e político, promove, desta vez, a concepção do “Coviver”. A proposta não tem a pretensão de instaurar relações absolutamente novas. Trata-se, antes, de orientar o design a discutir a habitabilidade na Terra, bem como quais são as nossas possibilidades de ação.

Cinco proponentes serão selecionados(as) e ganharão a verba de R$ 6.000,00 cada para a realização do protótipo de seu projeto que será exposto no Instituto Tomie Ohtake, em exposição a ser realizada em maio de 2023. Além disso, dois projetos, dentre aqueles presentes na exposição, receberão como prêmio troféus e publicações do Instituto Tomie Ohtake. As inscrições, que seguem até o dia 10 de janeiro de 2023, são gratuitas e podem ser feitas pelo site https://premiodesign.institutotomieohtake.org.br/.

Com perfil distinto das usuais premiações de design, o PRÊMIO DESIGN TOMIE OHTAKE tem uma proposta inovadora: abdicando de categorias, propõe a cada edição um tema-desafio a estudantes universitários(as). A partir desse tema, projetos podem ser inscritos por universitários(as) e profissionais recém-formados(as) de qualquer área, não se restringindo somente a jovens designers. A ideia é premiar propostas que destaquem e concebam a relação do design com outras áreas, como arquitetura, biologia, engenharia, moda, tecnologia, ciências sociais, entre outras.

Com esses pressupostos, o prêmio procura ressaltar que atualmente as propostas mais contundentes de design acontecem em diálogo com diferentes especialidades, instigando soluções inovadoras que possam responder a questões contemporâneas que discutam nosso cenário social, político, urbano, habitacional, além de novas demandas tecnológicas, novos equipamentos, publicações e mídias digitais.

Nas últimas quatro edições, o PRÊMIO DESIGN TOMIE OHTAKE já premiou 60 projetos entre os cerca de 700 inscritos, provindos de 25 estados brasileiros e do Distrito Federal. Foram realizadas 700 reuniões com professores e alunos(as) em mais de 50 universidades de todo país e mais de 20 ações educativas em São Paulo e outros estados, entre simpósios, seminários, cursos, oficinas, conversas, palestras e lives.

Podem se inscrever ao 5º PRÊMIO DESIGN TOMIE OHTAKE, estudantes de graduação com matrícula vigente em curso de nível técnico e/ou superior de qualquer área, incluindo, mas não se limitando à graduação em design, reconhecido ou autorizado pelo MEC. Podem ter nacionalidade brasileira ou estrangeira, desde que residentes no país há, pelo menos, dois anos; Profissionais que tenham concluído a graduação nos últimos cinco anos em qualquer curso de nível técnico e/ou superior reconhecido ou autorizado pelo MEC. Assim como os(as) estudantes, os(as) profissionais podem ter nacionalidade brasileira ou estrangeira, desde que residentes no país há, pelo menos, dois anos. São aceitas ainda inscrições de grupos de pesquisa, associações interdisciplinares ou coletivos cujos(as) integrantes sejam estudantes de graduação ou recém-graduados(as), desde que todos(as) os(as) membros(as) respondam às condições elencadas acima. Edital, mais informações e inscrições em: https://premiodesign.institutotomieohtake.org.br/

 

Instituto Tomie Ohtake

Av. Faria Lima 201 (Entrada pela Rua Coropés 88) - Pinheiros SP

Metrô mais próximo - Estação Faria Lima/Linha 4 – amarela

Fone: 11 2245 1900 

segunda-feira, 7 de novembro de 2022

São Paulo ganha novo espaço de cultura: Casa Gabriel abre suas portas com a exposição "Tempo e Transparência"

Fachada da Casa Gabriel – Jardim América, São Paulo.
Foto: Tácito Carvalho e Silva

Idealizada pela empresária e artista cearense Renata Vale, o novo espaço propõe um olhar generoso sobre a cultura e a arte brasileira, com ênfase na riqueza, sensibilidade e pluralidade do Nordeste. Exposição de abertura tem curadoria assinada por Marcus Lontra

Para mais fotos em alta resolução: https://flic.kr/s/aHBqjAbXpz 

A cidade de São Paulo ganha um novo espaço dedicado inteiramente à cultura e à arte. Localizada no número 2906 da alameda Gabriel Monteiro da Silva, no bairro Jardim América, a Casa Gabriel abre as suas portas no dia 09 de novembro. Idealizada e dirigida pela fotógrafa e empresária cearense Renata Vale, a Casa Gabriel se propõe a ser um espaço de cultura cujo objetivo é produzir e difundir arte e conhecimento, com ênfase na produção do Nordeste brasileiro e em novos talentos, oferecendo vivências culturais por meio do exercício do debate e dos aprendizados que o diálogo é capaz de fomentar. 

“O novo espaço foi pensado, inicialmente, para ser um estúdio fotográfico. A ideia de construir uma casa de cultura se concretizou enquanto as paredes da construção iam se levantando. O sonho veio com a minha vontade de criar um local de acolhimento da cultura e das artes, com um olhar atento para as manifestações artísticas nacionais e internacionais, porém, sobretudo, que enfatizasse a produção artística do Nordeste brasileiro. Tenho muita consciência da riqueza e do vasto repertório cultural que o Nordeste produz.”, diz a fundadora do espaço, Renata Vale.

A inauguração no novo espaço será marcada pela abertura da exposição “Tempo e Transparência”. Com curadoria de Marcus Lontra, a mostra coletiva reúne um conjunto de obras de seis importantes artistas contemporâneos cearenses: Azuhli, José Leonilson, Luiz Hermano, Tetë de Alencar, Sérgio Gurgel e Sérvulo Esmeraldo. 

A mostra referencia, inicialmente, Sérvulo Esmeraldo, artista seminal nos movimentos da arte construtiva e cinética brasileira; cujo trabalho dialoga com as obras de José Leonilson e Luiz Hermano, expoentes da relação entre arte e processos artesanais, característica dos anos 80. Os três – Sérvulo Esmeraldo, Leonilson e Luiz Hermano – tem em comum uma espécie de ‘artesania’ em suas obras – rendas com material rígido, bordados, materiais industriais –, remetendo ao trabalho das rendeiras cearenses de forma elegante e provocativa. Num outro eixo, Tetê de Alencar incorpora valores subjetivos e uma poética intimista, além de ampliar o potencial visual da exposição com instalações, vídeos e objetos não convencionais, enquanto Azuhli e Sérgio Gurgel apresentam um conjunto de obras de grande força expressiva e impacto visual imediato.

Nas palavras do curador, “são obras inquietantes e surpreendentes, que trabalham a ideia da relação do artesanato, de uma construção de obra que dialoga, de certa forma, com tudo o que encontramos ao caminhar na rua. É a arte popular em seu sentido mais amplo – aquela que vemos nas periferias de São Paulo, Rio e Fortaleza, mas com um tratamento muito erudito e sofisticado.”, explica Lontra.

“Quando uma pessoa se dedica a entender um lugar, ela consegue ver toda a riqueza daquela história. E no Nordeste, principalmente os artistas nordestinos, – existe uma coisa muito curiosa sobre a maior parte deles, que é o fato de conseguirem ter uma linguagem muito sofisticada. As cidades de Fortaleza e Recife, por exemplo, são lugares com uma vida cultural muito intensa! Não devem nada a cidades como Rio e São Paulo. Mas, ao mesmo tempo, eles têm uma ‘pegada’, uma sensibilidade de uma cultura popular que está ali pulsando, que está muito evidente. Então é a mistura perfeita entre o popular e o erudito.”, comenta o curador da mostra, Marcus Lontra.

Como ponto de referência, são todos eles artistas cearenses que, ao extrapolar os limites do regionalismo, projetam imagens que se inserem no cenário da arte contemporânea nacional e internacional. Sem menosprezar algumas características locais, com origem na tradição visual nordestina, esse grupo de artistas integra aspectos subjetivos e objetivos, provocando equações poéticas de extrema sensibilidade e inteligência.

No dia da abertura (09/11), está programada uma conversa entre o curador e os artistas Azuhli e Sérgio Gurgel. 

Sobre a Casa Gabriel

A Casa surge, então, como um espaço de arte que apresenta obras de artistas de diferentes gerações e linguagens, mas com ênfase na produção artística e cultural do Nordeste brasileiro, e que desenvolvem pesquisas relacionadas com a memória, a construção do gesto, o equilíbrio e a leveza, as sutilezas formais e a potência cromática.

Exposições, cursos, conversas e seminários fazem parte da grade de programação da Casa, um local que, para além de aproximar e acolher a pluralidade de manifestações artísticas, será palco garantido para novos talentos se expressarem e encontrarem seu habitat.

Sobre Renata Vale

Nascida em Fortaleza, Ceará, Renata Vale mudou-se para São Paulo em 2011, onde estabeleceu residência. Seu antigo interesse pelas artes visuais consolidou-se diante da efervescência cultural que a capital paulista proporciona. Assim, em 2016, Renata inscreveu-se e passou a frequentar o curso de fotografia da Escola Panamericana de Arte, em São Paulo, e iniciou suas pesquisas e experimentações nesse campo. Em 2019 participou da expedição fotográfica em Alter do Chão, no Pará, com Eder Chiodetto, e ficou raízes permanentes na fotografia. 

Sobre Marcus de Lontra Costa 

Marcus de Lontra Costa nasceu no Rio de Janeiro e atualmente reside em São Paulo. Na década de 1970 trabalhou com Oscar Niemeyer em Paris e, regressando ao Brasil foi editor da revista Módulo, editada pelo arquiteto. Foi crítico de arte dos jornais O Globo, Tribuna da Imprensa e Revista Isto É. Dirigiu a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro, onde realizou a histórica mostra “Como vai você Geração 80”. Foi curador do Museu de Arte Moderna de Brasília e do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Implantou e dirigiu o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães em Recife. Secretário de Cultura e Turismo do Município de Nova Iguaçu. Curador chefe do Prêmio CNI/SESI Marcantonio Vilaça. Implantou a Estação Cultural de Olímpia/SP. Tem realizado diversas exposições coletivas e individuais em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Natal e Fortaleza. 

Serviço
Casa Gabriel 

Inauguração do espaço: 09 de novembro, quarta-feira, a partir das 10h

Endereço: Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 2906 - Jardim América, São Paulo - SP

Exposição: Tempo e Transparência

Período expositivo: 09 de novembro a 11 de fevereiro de 2023

Horários de visitação: Segunda a sexta-feira, das 10 às 19h; sábados, das 11h às 15h

Entrada gratuita 

terça-feira, 1 de novembro de 2022

Orquestra Jovem é atração na feira da APAE Indaiatuba

Com entrada gratuita, concerto acontece no dia 11, no Espaço Viber

Orquestra Jovem de Indaiatuba participa, no dia 11 de novembro, da 22ª Feira da Bondade, realizada pela APAE Indaiatuba (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), com um concerto que reúne diferentes gerações musicais. A apresentação acontece às 20h, no Espaço Viber, e a entrada é gratuita. A direção artística e regência é do maestro Felipe Oliveira.

Com 26 integrantes de 10 a 28 anos de idade que tocam os instrumentos de cordas (violino, viola clássica, violoncelo e contrabaixo), a Orquestra Jovem apresenta um repertório que vai do estilo barroco, passando pelo rock, tango e chegando à música popular brasileira. As obras apresentadas serão: Alla Rustica, de Antonio VivaldiRondó, de Henry PurcellLibertango, de Astor PiazzolaCarinhoso, de PixinguinhaEleanor Rigby, de The Beatles; e Mourão, de César Guerra-Peixe.

COMO ASSISTIR? Na data do concerto (11), a entrada para a 22ª Feira da Bondade é gratuita, assim como o estacionamento. Essa apresentação é realizada pela AMOJI (Associação Mantenedora da Orquestra Jovem de Indaiatuba) e Prefeitura de Indaiatuba, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e APAE Indaiatuba. Saiba mais sobre a Feira da Bondade clicando aquiO Espaço Viber fica na rua Goiás, Cidade Nova II, Indaiatuba (SP).

SERVIÇO
Orquestra Jovem de Indaiatuba - 22ª Feira da Bondade
Data: 11 de novembro
Horário: 20h
Entrada gratuita
Estacionamento gratuito
Local: Espaço Viber - rua Goiás, Cidade Nova II, Indaiatuba (SP) - MAPA AQUI

Sobre a AMOJI

A AMOJI (Associação Mantenedora da Orquestra Jovem de Indaiatuba) é responsável pela Manutenção da Orquestra Sinfônica de Indaiatuba, que vem se destacando por sua intensa atuação na divulgação e popularização da música orquestral. Realizando, anualmente, mais de uma dezena de concertos gratuitos, com participação de músicos do município de Indaiatuba (SP) e solistas de renome. Promove o Encontro Musical de Indaiatuba (EMIn), que reúne uma série de concertos com grupos artísticos da Região Metropolitana de Campinas (RMC), além de masterclasses abertas para estudantes de música de todo o país.

A Associação também é responsável por gerir e administrar a Escola de Música da Orquestra Sinfônica de Indaiatuba (EMOSI), além da Orquestra Jovem de Indaiatuba (OJI). Ambas viabilizam a muitos jovens instrumentistas da cidade e região têm oportunidade de desenvolvimento técnico e artístico, por meio de aulas individuais de instrumento, além de participarem dos ensaios e apresentações da Orquestra Jovem.

Orquestra Jovem de Indaiatuba nas redes sociais

Facebook 

quarta-feira, 19 de outubro de 2022

Pantanal mato-grossense é tema de exposição em São Paulo


Divulgação

Associação É o Bicho MT e artista plástico cuiabano Totonho Jorge levam para São Paulo a exposição 'Pantanal, Terra de Água e Fogo'

Cenário de incrível biodiversidade, o Pantanal mato-grossense, maior área úmida do mundo, é tema da exposição “Pantanal, Terra de Água e Fogo”, que acontece entre 14 e 28 de outubro, na biblioteca Monteiro Lobato, em São Paulo (SP). 

A mostra reúne 30 obras, entre fotografias e pinturas, que irão conduzir o visitante em uma dupla jornada, nos dois extremos vividos pelo bioma nos últimos anos. A entrada é gratuita.

Responsável pela curadoria da exposição, a associação É o Bicho MT, atua desde 2020 no Pantanal mato-grossense.

“A exposição tem por finalidade apresentar a região pantaneira, visando a preservação do ecossistema e a propagação do ecoturismo no mercado nacional e internacional, uma vez que após São Paulo, a mostra será exibida na cidade de Nova York, nos Estados Unidos”, reforça a presidente da associação É o Bicho MT, Jenifer Gonçalves Larrea. 

Segundo Jenifer, os recursos captados na exposição serão aplicados na execução de projetos para a preservação e conservação do Pantanal.

Empresa privada da cadeia produtiva do setor mineral, a Fênix DTVM, sediada em Cuiabá/MT, é uma das apoiadoras da exposição. 

“Para nós é muito importante contribuir com ações que evidenciam a preocupação com o ecossistema, em especial, com o Pantanal, berço da biodiversidade brasileira”, explica a gerente de ESG, Riscos e Controles Internos da Fênix DTVM, Talita Galvão.

Ela lembra que a empresa é a primeira do ramo a integrar o Pacto Global das Nações Unidas (ONU) no Brasil. A iniciativa busca mobilizar a comunidade empresarial na adoção e promoção, em suas práticas de negócios, de dez princípios universalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

“A adoção de práticas relacionadas ao meio ambiente, governança corporativa e bem-estar social (ESG), vem sendo incorporadas pela Fênix DTVM em todos os seus processos, o que resultou no ingresso ao Pacto Global, o que muito nos orgulha”, detalhou.

A Fênix DTVM é regulamentada pelo Banco Central do Brasil, para atuar como instituição financeira na compra e venda de minério de ouro.

Sobre a exposição

Na exposição, o artista plástico cuiabano Totonho Jorge retrata o pantanal sob o olhar de quem viveu no coração das águas pantaneiras por três anos. Também se unem ao artista, os fotógrafos Deny Kobayashi, Guilherme Pantanal e Reynaldo Martins e a artista plástica Camila Boranga.

A exposição é dividida em dois momentos. Na primeira parte, o visitante tem a possibilidade de conhecer a fauna e flora pantaneira, com detalhes como o incrível céu azul.

Na segunda parte, o fogo é o protagonista. Durante o grande incêndio de 2020, quando o pantanal foi literalmente devastado, alguns fotógrafos acompanharam as ações de combate ao fogo e alimentação à fauna pantaneira, feita pela associação É o Bicho MT. Algumas das imagens mostram, de perto, o horror evidenciado pelos fotógrafos mato-grossenses naquele ano.    

Mais informações sobre a exposição pelo Instagram: @eobichomt 

domingo, 16 de outubro de 2022

Lançamento de Livro - Mininho: Dores de um Cotovelo

Divulgação
 

O preguiçoso do Mininho, o cotovelo, vivia bem, até a chegada do pequeno Biluca, o gato. O tempo passa e a vida de pai solteiro o coloca em uma profunda depressão. Mas, entre tendinites, biscoitos de nata e gangues de rua, quem ou o quê estaria por trás das suas dores?


Autor: Rodrigo Paiva
Editora: Dialética
Selo: Dialética Infantil
ISBN: 9786553553491
Nº de Páginas: 168
Ano: 2022

Mininho: dores de um cotovelo é uma história que vai achar um espaço confortável em sua mente e de lá não mais sairá. Rodrigo Paiva proporciona ao leitor uma retirada da zona de conforto e uma inquietação mental, quase um exercício para treinar a imaginação. O que seria um trabalho de conclusão do curso da especialização em Escrita Criativa (Unicap/PUCRS) tornou-se, sob minha orientação, ou, melhor dizendo, sob minha surpresa, uma obra de arte. Rodrigo nos apresenta Mininho, um cotovelo, e nos faz perceber quantos detalhes da nossa vida passam batidos. A escrita, essa ferramenta mágica e ancestral, possibilita e imortaliza o conhecimento, as estórias, as fábulas. Eu, enquanto escritor e diretor de cinema do universo fantástico, recomendo a leitura de Mininho: dores de um cotovelo – de Rodrigo Paiva, autor que levanta a bandeira da arte e da Escrita Criativa. Em tempos tão intricados, a melhor coisa é se entregar ao mundo infantojuvenil, se debruçar em uma narrativa que proporciona descobertas, vitórias e um plot twist para lá de interessante. Como diz Mário de Andrade, “em toda criação dá- se um esforço de vontade. Não pode haver esforço de vontade sem atenção. A atenção continua a existir e mais ou menos uniformiza as impulsões líricas para que a obra de arte se realize”
 
- Adriano Portela Adriano Portela
 Diretor de Recife Assombrado (2019)

EM BREVE: Disponível nas próximas semanas em versão física e virtual via Amazon, Magazine Luiza, Casas Bahia, Ponto Frio, Carrefour, Mercado Livre, Americanas, Extra, Submarino dentre outros sites de venda. 

Rodrigo Sérgio Ferreira de Paiva é publicitário, autor de artigos acadêmicos e do livro Panther is the New Black: Representação e Cultura na Comunicação do Filme Pantera Negra, lançado em versão física e digital na XII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco (2019). É Mestre em Indústrias Criativas e Especialista em Escrita Criativa pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP).

quarta-feira, 12 de outubro de 2022

Lançamento - Calafrio 77

Divulgação

Vocês que estão mal acostumados e apreensivos, eis que chega a grande notícia! Calafrio 77 está lançada, e com o fechamento do ciclo apocalíptico traçado para as edições de 2022! No número 75 você conferiram as histórias de guerra; na edição 76 o tema foi fome e peste. Finalmente veio o momento da Morte! E para representá-la, um de seus mais famosos agente ganha a cena, Jack O Estripador.

A edição vem com capa de Cláudio Dutra, e as HQs são na sequência: Dias Cinzentos, Noites Vermelhas, de Sidemar de Castro e Eduardo Cardenas; já Bira Dantas produziu Vida & Morte. O leitor Osny Jr escreveu Morte, O Início para o traço de Ivan Lima. O Açougueiro é a contribuição do estreante Gustavo Nascimento com a aquarela de Márcio Garcia; e para honrar a editora,  mestre Júlio Shimamoto produziu a HQ inédita Tapete da Morte, com uso de suas novas técnicas.

Nas seções, um pôster colorido de Rubens Lima com a junção das capas dos dois últimos números que forma o painel com todos os aspectos dos Cavaleiros do Apocalipse; as mensagens dos leitores na Mala Direta; e Quem é Quem nos Quadrinhos biografa Marcel Bartholo. A edição conta com duas matérias, na primeira Carol Libar fala sobre a obra nipônica Death Note, e na segunda Daniel Saks expõe personificações da Morte nos quadrinhos. Em CineCalafrio há uma lista de filmes com a morte como tema por Sidemar. A participação da Ink&Blood no evento Batbase 2; e encerra com a resenha de uma revista do passado em Capas Clássicas.

Calafrio 77 tem 52 páginas no formato 20x28cm ao preço de R$20,00. A edição, e as demais ainda em estoque, estão disponíveis para os leitores pelo e-mail revistacalafrio@gmail.com; na página Calafrio e Mestres do Terror no Facebook; e em breve nas lojas parceiras preferidas dos leitores.

Grande abraço do editor amigo,

Daniel Saks

Edições disponíveis:

Calafrio (trimestral): 53, e 61 a 77. Até a 74 R$15,00 cada, a partir da 75 R$20,00; 
Mestres do Terror (semestral): 63, e 69 a 78. Até a 76 R$15,00 cada, a partir da 77 R$20,00;
Terror Negro (semestral): 01 e 02, R$18,00 cada;
E as especiais (R$25,00 cada):
O Livro Maldito de Cipriano;
Calafrio Especial Mangue Negro.

A despesa de postagem depende do volume do pacote. Para um exemplar apenas a postagem fica R$9,00. Ao entrar em contato, já avise a cidade em que mora, pode haver uma loja próxima. 

segunda-feira, 10 de outubro de 2022

Romance de formação de Keka Reis trata de temas espinhosos


 

Mãe e filha: vínculo de complexidade e amor

Lançamento de Keka Reis, escritora finalista do Prêmio Jabuti, mergulha no luto de uma adolescente após a partida da maior referência e quebra com o clichê "aborrescente" ao dar dimensão às dores da juventude

Sozinha, adjetivo que dá nome ao quarto romance da escritora finalista do Prêmio Jabuti Keka Reis, é como se sente a personagem Rosa após a partida repentina da mãe. Publicada pela Editora Gutenberg, a novidade traz à tona a delicada, às vezes simbiótica, relação entre meninas adolescentes e a figura materna.

Entretida com a vida escolar, amigas e namorado, a protagonista está na fase intensa da adolescência, cheia de impulsos rebeldes e certezas absolutas. Em uma das brigas frequentes com a mãe Julieta, a jovem personagem deixa escapar um pensamento reprimido: “Acho que a minha vida seria muito mais fácil se você morresse de uma vez.” O que Rosa não esperava era que o impensável estava prestes a acontecer. Ela se vê sozinha em uma das fases mais complexas da vida após a mãe sofrer um aneurisma fatal logo depois de uma briga.

Quem quer sair de um lugar quente e aconchegante para viver em um mundo que tem tiozinhos abusadores? Quem quer viver em um lugar em que as pessoas desaparecem das nossas vidas de uma hora para outra e sem aviso? Eu nunca falei isso para ela. Porque, para a minha mãe, eu sempre fui a garota mais forte do mundo. É justamente o que estou tentando ser agora. Agora que ela foi embora e me deixou sozinha. Sozinha. Sozinha.
(Sozinha, p. 22)

Sem abrir espaço para o choro e falar sobre a dor do luto com outras pessoas, Rosa se transforma rapidamente em um espectro da filha, ao seu ver, idealizada por Julieta:  uma adolescente politizada, ácida e supostamente forte. Ao longo das 203 páginas, a protagonista enfrenta o desafio de se afastar da figura materna para poder encontrar o próprio jeito de ser mulher, ao mesmo tempo que enfrenta  crises  de pânico e a dificuldade de se relacionar com a avó materna.

Carregado de cenas que traduzem a intensidade da adolescência, Sozinha é uma jornada intensa e emocional de transformação e amadurecimento que toca em importantes questões da juventude contemporânea. “Terminei de escrever Sozinha, um livro que fala de luto, no meio da pandemia da Covid-19 e acho que a coincidência foi bastante oportuna. Precisamos falar sobre perdas e travessias depois de tudo que experimentamos”, reflete Keka Reis.

 

 FICHA TÉCNICA:
Título: 
Sozinha
Autora: Keka Reis
Editora:
 Gutenberg
ISBN: 978-85-8235-661-6
Páginas: 203 páginas
Preço: R$49,80
Links de venda: Amazon

Sobre a autora: Keka Reis é escritora, roteirista e dramaturga. Nos anos 1990, escreveu, produziu e dirigiu programas na MTV. Como roteirista, tem colaborado desde 2006 em filmes e inúmeras séries para a TV. Estreou na literatura com “O dia em que a minha vida mudou por causa de um chocolate comprado nas Ilhas Maldivas”, seguido por “O dia em que a minha vida mudou por causa de um pneu furado em Santa Rita do Passa Quatro”, finalistas do Prêmio Jabuti em 2018 e 2019, respectivamente. “Medley ou os dias em que aprendi a voar”, romance adolescente lançado pela autora em 2021, surgiu de um roteiro cinematográfico premiado em diversos festivais internacionais. “Sozinha” é a novidade da escritora.

Instagram@kekareis_escritora


quarta-feira, 5 de outubro de 2022

Estúdio 41 apresenta Mirabilândia - Um Parque de Ilusões, de Dani Tranchesi

Chapéu Rosa, 2022. Fotografia de Dani Tranchesi.

Com curadoria de Diógenes Moura, a mostra reúne imagens que traduzem a magia dos parques de diversões clicadas pela fotógrafa. Abertura da exposição comemora um ano de atividade do espaço 

Estúdio 41 inaugura no dia 23 de agosto a mostra Mirabilândia - Um Parque de Ilusões, com fotos de Dani Tranchesi e curadoria assinada por Diógenes Moura. A partir de imagens de chapéus mexicanos, carrosséis, pelúcias e outros elementos, a artista captura o universo lúdico dos parques de diversões. A data de abertura da mostra marca também um ano de atuação do espaço expositivo. 

Mirabilândia aconteceu por acaso, afirma a fotógrafa, que vem capturando imagens de parques de diversões de maneira despretensiosa desde 2015. Entre um projeto de pesquisa fotográfica e outro, Dani Tranchesi sempre cruzou com as arenas repletas de luzes e um quê de magia pelo caminho e decidiu registrá-las.  Percorreu diversas regiões da capital como zona leste, zona norte, a cidade de Praia Grande, na baixada santista, o interior de São Paulo, e países como Vietnã, Estados Unidos, entre outros. 

Foi quando estava em Recife no primeiro semestre de 2022, por conta de seu próximo projeto intitulado “Seja o que Deus Quiser”, que Dani topou com Mirabilâdia, parque que dá nome à mostra e fica entre as cidades de Recife e Olinda. Ali tomou a decisão de que as fotos, que já compunham um vasto acervo registrado por anos, podiam virar uma exposição. 

Conta a lenda adormecida que Mirabilandia é a soma das primeiras sílabas dos nomes das filhas do dono de um parque que existe entre Recife e Olinda. Nada mais puro sangue brasileiro: sílabas para criar outro nome, outra ilusão. Nas cidades e no país onde seus habitantes estão sempre à beira do abismo, um parque de diversões pode ser um amuleto para que o sufoco da vida cotidiana seja aliviado uma, duas, três horas seguidas”, diz o curador Diógenes Moura. 

Dani Tranchesi diz que a mostra irá crescer e ainda está fotografando parques, nos próximos dias ela registra um parque na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.  “Capturar parques de diversões é uma forma de registrar algo que está acabando. É lúdico, nostálgico e um pouco melancólico também”, afirma Dani. 

Para esta mostra, o curador e a fotógrafa reuniram 23 imagens que foram capturadas ao longo dos anos. “Somos outros quando estamos em um parque de diversões. O super tornado é uma montanha russa que faz o grito e a emoção lamberem cada rosto. Monstros e super-heróis são capazes de sorrir. No chapéu mexicano a imagem gira: vê cada ilusão pelo  lado de dentro e o olho de vidro de quem a vê pelo lado de fora.", elucida o curador.

Estúdio 41

Um espaço voltado à reflexão e discussão sobre o fazer artístico da fotografia. Esse é o mote do Estúdio 41, projeto que ocupa o conjunto 41 do prédio 1254 da Rua Pedroso Alvarenga, no Itaim Bibi, zona sul de São Paulo. Com direção artística do curador e escritor Diógenes Moura e comandado pela fotógrafa Dani Tranchesi e sua sócia Paula Rocha, o novo espaço cultural vai apresentar projetos de fotógrafos emergentes e consagrados em uma programação de exposições, exibição de filmes, lançamento de livros e conversas sobre a linguagem fotográfica.

 

Serviço

Exposição Mirabilândia - Um Parque de Ilusões, de Dani Tranchesi

Curadoria: Diógenes Moura

De 23 de agosto a 23 de outubro de 2022

Endereço: Rua Pedroso Alvarenga, 1254, cj 41, Itaim Bibi

Funcionamento: quartas-feiras, das 10h às 19h - demais dias da semana, visitas sob agendamento através do WhatsApp +55 11 99452-3308.

Entrada franca 

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

Instituto brasileiro divulga ganhadores do 2° Salão de Humor sobre Doação de Órgãos

Mais de 200 obras de 16 estados do país foram inscritas para participar de premiações nas categorias cartum e charge

O resultado do 2° Salão de Humor sobre Doação de Órgãos foi divulgado pelo Instituto GABRIEL, organização social sem fins lucrativos que trabalha desde 2000 para estimular a doação de órgãos e tecidos no país. Em live disponível no Facebook e Youtube do Instituto, foram revelados os vencedores no Dia Nacional do Doador de Órgãos, em 27 de setembro, que promove a sensibilização em relação às 56 mil pessoas que aguardam por um transplante no Brasil. Dentre 206 obras produzidas por 94 artistas de 16 estados do país, foram selecionadas 160 obras para concorrer à premiação nas categorias Cartum e Charge. Na primeira edição, o evento recebeu 250 obras de todo o Brasil, em quatro categorias.

O público poderá ver as obras vencedoras deste ano nas redes sociais da organização, que promoveu a segunda edição do Salão do Humor, 14 anos após a primeira edição, na qual quatro categorias de humor gráfico foram premiadas: Charge, Cartum, História em Quadrinhos e Caricatura. Desta vez, com o apoio da Biometrix Diagnóstica, o formato on-line deste ano democratizou ainda mais a participação de artistas de todo o Brasil. A premiação deste ano contemplou o primeiro e segundo lugares com valores em dinheiro de R$ 1 mil e R$ 500, respectivamente. Foram feitas três menções honrosas por categoria. 

“Durante esses 14 anos da primeira edição, as obras puderam ser vistas em diversas exposições e mostras em várias cidades do país. Há alguns anos, já queríamos promover a segunda edição, mas o cotidiano sempre acabava postergando a ação. Com o falecimento de meu marido, Valdir de Carvalho, no final de 2019, tornou-se questão de honra trabalhar para que o Salão acontecesse para homenageá-lo. Juntamos força e motivação com nossa equipe e aqui estamos realizando essa meta”, relata Maria Inês Carvalho, presidente do Instituto GABRIEL e criadora do projeto em conjunto com Valdir de Carvalho e o cartunista Mário Mastrotti. 

Os jurados avaliaram os trabalhos mais impactantes e que foram compostos por uma boa dose de humor para conscientizar as pessoas sobre a importância da doação de órgãos. Segundo Maria Inês, a qualidade artística das obras e a abrangência nacional impressionou o júri deste ano e que continha profissionais de saúde, da área de captação de recursos e transplantes de órgãos, com nomes de expressão no setor, que são: Bruno Deltreggia Benites, Gustavo Fernandes Ferreira, João Luiz Erbs Pessoa, Helder José Lessa Zambelli, Lucio Filgueiras Pacheco Moreira, Marcelo Mion, Marilda Mazzali, Tadeu Thome e Walter Duro Garcia. 

Confira as obras premiadas:

CATEGORIA CHARGE

1o Lugar

Obra: Vidas Depois

Autor: Jota A – PI

2o Lugar

Obra: Doador e Receptor

Autor: Darlan Alves – GO

 

Menções Honrosas:

Obra: Meu coração

Autor: Ronaldo Cunha – RS

 

Obra: Transplante de vida

Autor: Darlan Alves – GO

 

Obra: Causa Mortis

Autor: Brum – RN

 

CATEGORIA CARTUM

1o Lugar

Obra: Herança e Legado

Autor: Roque de Ávila Jr. – SP

2o Lugar

Obra: Cartum 2

Autor: Moisés – SP

Menções Honrosas:

Obra: De coração para coração

Autor: Orlando Alves – SP

 

Obra: Doador Anjo

Autor: Ed Sarro – PR

 

Obra: Christmas gift

Autor: Guaico – GO

 

Prêmio Especial Biometrix

Obra: Contrastes

Assinatura: Mello - MG

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

4ª EDIÇÃO DO HQ FEST 2022

Foto: Divulgação

Após 2 anos de pandemia, os fãs de histórias em quadrinhos, de todas as idades, tiveram de volta um evento muito especial, que ocorreu na cidade de Indaiatuba, promovido pelo Estudio EMT,  o 4º HQ Fest, que aconteceu no dia 17 de setembro, no Parque Mall Indaiatuba, com  entrada gratuita. Foram mais de 2.000 visitantes envolvidos pelas várias atividades do evento.

Uma das grandes novidades do evento este ano foram as atividades interativas voltadas às crianças. O Teatro Estrada apresentou peças durante o evento e a contação de histórias para a garotada, realizado pelo Coletivo Cultural Valamandana. Mas também foram vários lançamentos de revistas e graphic Novel, além de exposição de painéis e bate-papos com alguns quadrinistas como a Ligia Zanella e ilustradores Marcel Bartholo, Roberto Castro e Pedro Mauro e o editor Daniel Saks entre outros.

Outra atração do 4º HQ Fest foi o desfile de Cosplayers, patrocinado pela empresa Pro Artis, que ofereceu premiações aos escolhidos pelos jurados com as fantasias mais originais do evento.

Organizado por Moacir Torres o evento reuniu mais de 50 quadrinistas, sendo 20 artistas da própria cidade de Indaiatuba. E mesmo sendo entrada gratuita, o evento realizou uma ação solidária, voltada às famílias carentes da cidade, com a doação voluntária de 1 kg de alimento.

A edição deste ano contou com o patrocínio da ProArtis, MK Academy, Grupo Zarin, Colégio Renovação, Fisk Indaiatuba, além do apoio da Rádio Jornal de Indaiatuba, EP Grupo, Infocus Desenvolvimento, Fernanda Bugallo e Editora Gibizinho.

FONTE: WIND MARKETING

terça-feira, 13 de setembro de 2022

Orquestra Ituana de Viola Caipira se apresenta no sábado, dia 17 de setembro

Mensalmente, o grupo de 25 músicos realiza os ensaios abertos ao público, de forma gratuita, no Museu da Energia de Itu

Em 17 de setembro, às 10h30, a Orquestra Ituana de Viola Caipira realiza um ensaio aberto gratuito ao público no Museu da Energia de Itu. O grupo, que reúne 25 músicos coordenados por Célia Trettel e Adilson Rodrigues da Silveira, se diferencia pela composição inusitada. 

O evento é gratuito e são 40 lugares, que serão ocupados por ordem de chegada. Não há necessidade de fazer reserva. O público poderá acompanhar a orquestra num cenário privilegiado, já que o museu é um belo casarão de 1847 e que preserva muitas de suas características originais, em pleno centro histórico.  

A Orquestra Ituana de Viola Caipira foi fundada em 2011, a partir da necessidade de Itu ter sua própria agremiação de amantes deste instrumento musical, já que a cidade até então só recebia grupos de outras localidades. O projeto é institucionalizado como órgão oficial da prefeitura do município, ligado à Secretaria de Educação.

 

Os instrumentos são divididos em naipes de afinações, com as violas em cebolão em mi maior, cebolão em ré maior, rio abaixo em sol maior e rio acima em dó maior. Ao harmonizar essas afinações distintas, a orquestra ganha uma sonoridade peculiar, e mais rica comparando-se aos grupos de afinação única.

 

O projeto é institucionalizado como órgão oficial da prefeitura do município, ligado à Secretaria de Educação. Não é necessário fazer inscrição prévia.

Serviço

Ensaio Aberto da Orquestra Ituana de Viola Caipira e apresentação teatral da biografia da antiga moradora do casarão do Museu de Itu

Local - Museu da Energia de Itu

Endereço -   R. Paula Souza, 669 - Centro, Itu

Data -  sábado, 17 de setembro

Horário - 10h30

O evento é gratuito. São cerca de 40 lugares, que serão ocupados por ordem de chegada. Não há necessidade de fazer reserva.

Sobre a Fundação Energia e Saneamento

Desde 1998, a Fundação Energia e Saneamento pesquisa, preserva e divulga o patrimônio histórico e cultural dos setores de energia e de saneamento ambiental. Atuando em várias regiões do estado de São Paulo por meio das unidades do Museu da Energia (São Paulo, Itu e Salesópolis), realiza ações culturais e educativas que reforçam conceitos de cidadania e incentivam o uso responsável de recursos naturais, trabalhando nos eixos de história, ciência, tecnologia e meio ambiente.

EMPRESA MANTENEDORA DA FUNDAÇÃO ENERGIA E SANEAMENTO

CESP

PATROCINADOR MASTER

CTG Brasil

Site: http://www.museudaenergia.org.br/

Facebook: https://www.facebook.com/museudaenergia

Instagram: @museudaenergia

YouTube: https://www.youtube.com/c/MuseudaEnergia 

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Esculturas de onças-pintadas da ISA CTEEP na Jaguar Parade chegam a Nova York


Neste mês, as obras estarão expostas em grandes centros de Nova York, durante a 77ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU)

São Paulo, 06 de setembro de 2022 – As esculturas de onças-pintadas estilizadas por artistas convidados da ISA CTEEP, líder no setor de transmissão de energia do País, em parceria com a Jaguar Parade, intervenção artística urbana que reúne esculturas do felino, já estão em Nova York. 

Entre os dias 07 de setembro e 05 de outubro, poderão ser contempladas em grandes centros da cidade, como o World Trade Center, Central Park Zoo, UN Plaza e Park Ave, durante a 77ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Nesta edição, o evento será promovido, em paralelo, de forma on-line e vai receber, de maneira inédita, artistas de obras digitais, que serão leiloadas como non fungible tokens (NFTs), ou tokens não fungíveis, um tipo especial de token criptográfico que prova a autenticidade das artes digitais, a fim de gerar fundos para a conservação das onças-pintadas. Ao final da exposição nos Estados Unidos, as esculturas serão leiloadas, e 100% do lucro será destinado a projetos de preservação da espécie e seu hábitat em diversos países da América Latina.

No total, cerca de 40 esculturas foram produzidas para o evento cultural internacional. Dessas, 11 foram assinadas por artistas convidados pela ISA CTEEP: Petterson Silva, Rafael Jonnier, Kássia Rare, Luc Sousa, Celair Ramos (Buga Peralta), Vanessa Alexandre, Sophie Reiterman, Irmãs Gelli, Lettice, Ju Barros e Luiz Escañuela. 

“Esta é uma iniciativa que nos orgulha e reforça a nossa contribuição proativa para os desafios ambientais globais. Estabelecemos alianças estratégicas para a proteção da biodiversidade que, neste caso, em parceria com a Jaguar Parade, promove a conscientização global para esta causa primordial da preservação do maior felino das Américas”, destaca Ana Carolina David, gerente de comunicação, relações institucionais e sustentabilidade da ISA CTEEP.

O apoio à iniciativa está em linha com o propósito do Programa Conexão Jaguar, principal programa de sustentabilidade da empresa, que tem como objetivo promover a conservação da biodiversidade, mitigação das mudanças climáticas e o desenvolvimento das comunidades. A iniciativa oferece viabilidade técnica e econômica para a implementação de projetos de carbono em áreas de conservação e restauração com o intuito de reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Hoje, atua no desenvolvimento de projeto REDD+ em mais de 135 mil hectares na Serra do Amolar, no Pantanal, cujo objetivo é gerar créditos de carbono ao evitar o desmatamento da mata nativa e permitir a coexistência entre comunidades e animais. 

 
Saiba mais sobre o Conexão Jaguar: acesse aqui.

 

Sobre a ISA CTEEP 

Com uma equipe de mais de 1.400 colaboradores, a ISA CTEEP está presente em 17 Estados, operando uma complexa rede de transmissão por onde trafegam 30% de toda a energia elétrica transmitida no Brasil e 92% no Estado de São Paulo. Seu sistema elétrico é composto por mais de 26 mil km de circuitos e 139 subestações (ativos em operação e em construção) com tensão de até 550 kV. Seu acionista controlador é a empresa colombiana ISA, que detém 35,82% do capital total.

 

Informações para a imprensa – ISA CTEEP

RPMA Comunicação

Kelly Queiroz – (11) 94216-3176

isacteep@rpmacomunicacao.com.br